Um relatório divulgado dia 6 de Maio, da autoria de um grupo de especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU), sobre biodiversidade (IPBES- Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services) revela que um milhão de espécies estão ameaçadas e que se traça um futuro sombrio para a espécie humana que depende da natureza para beber, comer, respirar, aquecer-se e até curar-se.


O relatório confirma que 66% do ambiente marinho foi afectado e que 75% do meio ambiente terrestre foi gravemente prejudicado pelas actividades humanas, desde desflorestação, agricultura intensiva, pesca excessiva ou urbanização desenfreada. Mais de 40% das espécies de anfíbios do mundo, mais de um terço dos mamíferos marinhos e cerca de um terço dos tubarões e peixes estão ameaçados de extinção.

Este duro relatório baseia-se numa pesquisa realizada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que calculou que existem 27.159 espécies em perigo, ameaçadas de extinção ou extintas na natureza entre quase 100 mil espécies analisadas em profundidade. Neste grupo encontram-se 1.233 espécies de mamíferos, 1.492 espécies de aves e 2.341 espécies de peixes. Quase metade das espécies ameaçadas são plantas.

No documento estão visivelmente identificados os cinco culpados por ordem de importância: uso da terra, exploração directa dos recursos (pesca, caça), alterações climáticas, poluição e espécies invasoras.

O relatório do IPBES apresenta ideias e acções que os países poderão adoptar para melhorar a sustentabilidade do sistema económico, tal como quotas de pesca efectivas ou uma reforma nos apoios públicos e na fiscalidade e é preciso definir como objectivo a qualidade de vida e não o crescimento económico.



10-05-2019

"Melhorar a Informação, Promover o Futuro" Operação 2.1.4 Ações de Informação
Ficha de Projecto
©InforCNA 2017 - desenvolvido por Softimbra2, Agroinformática